Avançar para o conteúdo principal

Fé de supermercado


Num supermercado, não muito longe daqui, uma mulher segura um livro. Está sentada no chão mal higienizado do supermercado, lê-o muito concentrada, completamente alheia aos olhares dos estranhos que passam por si indiscriminadamente. E foram tantos. Não contando com o meu, escondido atrás do topo das canetas de feltro, dos lápis e dos cadernos do regresso às aulas, contei mais de cinquenta, quase um tempo à justa para se ler um capítulo em paz.
Ali permaneceu, muito quieta, em postura de meditação. À sua volta um torvelinho frenético, porém, nada a atingia. A funcionária do balcão de informações relanceia-lhe os olhos, quer expulsá-la daquela calma, para que o frenesim prossiga a sua rotina normal, mas não consegue, ficou presa no mesmo fascínio que me prendeu a mim.
De repente, uma massa conflui nos portões electrónicos. Fura-bandulhos todos eles, aos empurrões e cotoveladas, a revezarem o turno dos que saíam carregados de sacos de plástico. Haviam bons descontos naquele dia, demasiado bons para cairem na contramão da solenidade. Como trocar um bom desconto por aquele mistério?
A mulher pousa o livro na prateleira, levanta-se e sai do supermercado. 
Saí do meu esconderijo no mesmo momento. Não consegui mais aguentar cá dentro, a força da curiosidade. Tinha de lhe deitar a mão. Quando me aproximei percebi logo, que nunca poderei deixar apagar-se a vontade de conseguir chegar assim a alguém. Sorri sozinho, e saí também.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…