Avançar para o conteúdo principal

Fazer as pazes com qualquer coisa



Cada vez mais sinto que estou em dívida com o mundo. Devo-lhe o meu melhor tempo, todo o meu empenho e criatividade. Desisti de desacreditar em tudo, o que me anima os dias com um estranho bafo acolhedor.
Trabalho sem resultados mensuráveis de proveito ou de êxito porque acredito que aquilo que faço importa, e não para encontrar um papel de protagonista num lugar atarracado, superlotado de secundários como eu. Leio pela excitação de descobrir que muitos são melhores do que eu, para aprender a ser melhor do que poucos e excelso superior de nenhum, de ninguém. Ler para existir num rasto de excelência, como um galgo na sua pista, e não apenas para dizer que o fiz, ou para contar quantos mais lenhos consigo riscar no cinto infindável dos livros que tenho por ler. Apaixono-me constantemente, porque apesar e mesmo além de toda a parca importância do imediato da paixão, apaixonarmo-nos, atira-nos ao ar onde vivemos vidas de bolhas de sabão, que sucumbem, explodem e reformam-se no dia seguinte, maiores e mais belas que antes. 

O amor deixo para o futuro, que é coisa de longo prazo e não pode ser nunca apenas uma guerra contra a solidão. 
Vou a lugares estranhos, e outros mais familiares, e perco-me até em ambos, muitas vezes de propósito. Faço-o para expandir o meu mundo interior, não para tornar este mundo mais pequeno no fundo de um álbum de fotografias. Trato de quem me quer bem, e de tempos a tempos, esforço-me para contrariar o mais básico desdém de ser humano, e até trato bem aqueles que nem conheço. Faço-o, não por ser boa pessoa (não o sou) mas porque quero ser, e sinto também que, essa entrega irracional, ainda que esporádica, de sermos pelos outros, mais do que por nós mesmos, é a pedra que sustenta e quebra a podridão enraízada do ego superior, o ego só, que insiste em ser uno mas nunca consegue se aquecer no fogo do seu próprio calor.
E, depois de tudo isto. Depois de ter tudo bem arrumado e estruturado cá dentro, posso ter medo na mesma, e tentar fugir de tudo, claro que posso. Posso permanecer escondido atrás do meu medo e lamentar-me de todas as dificuldades que tenho pela frente. Posso até aguardar ansioso pela revolução improvável que me venha acudir de todos os males que para mim próprio construí…mas, no fim, tenho apenas uma decisão para tomar: O que raio irei fazer da minha vida?

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…