Avançar para o conteúdo principal

E se o facebook fosse castanho como a merda?



Hoje escreveu-me uma amiga, que, sentindo a minha falta mais assídua, quis saber como eu estava; se morto, se triste, se tolo, enfim. Sorri apenas, como todos os seres que não andam por si mesmos, se tivesse sido um cinzeiro ou uma almofada decorativa a lerem a mensagem, seria igual. Sorri involuntário, só por saber que alguém ainda se importa. A seguir, veio-me tudo ao de cima, estraguei o gesto como habitualmente o faço, e, a não ser que venha a ler este pequeno texto, ela nunca o saberá verdadeiramente, pois decidi não lhe devolver qualquer resposta.
Bem, não me vou pôr aqui com mais choraminguices, só escrevo isto porque, no final do e-mail que me enviou, salientou, num post-scriptum exaltado (em letra maiúscula) que me deixasse de tretas e voltasse de uma vez ao Facebook, ao contacto dos amigos - assim me escreveu. Logo se despediu, prontamente e com um certo carinho.
Amigos? Fiquei a pensar nisto longamente. 
Depois de quase dois meses de ausência, o que raio posso eu dizer no Facebook que não digo já aqui. Será uma questão de share de audiências? É bem capaz. Por isso de lá saí, sou demasiado acanhado para essas plateias sedentas.
Escrever seja o que for depois de uma longa ausência consegue ser embaraçoso, um pouco como se o silêncio nos tivesse despido. Quando o tentamos vestir discretamente com algumas palavras, parece que soa como uma roupa ruidosa, cheia de estática. Mesmo sendo sempre um mero lençol branco disfarçado de azul.


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…