Avançar para o conteúdo principal

A frustração é uma cabra!


Aos poucos, começo a sentir um incrível descrédito por tudo, mas, em particular pelo correio electrónico:

"Não o podemos usar/aceitar neste momento."
"Não captou o nosso interesse."
"Não se enquadra com as nossas necessidades."
"Só estamos a editar livros comparticipados pelos próprios autores."
"A sua obra não se enquadra na nossa estética."
"Não está conforme os nossos planos editoriais."
"Vamos ter de recusar."

"Lamento, mas falhou em criar ressonância connosco."
"Não é algo que que estivessemos dispostos a publicar."
"De momento, não possuímos espaço para adquirir mais clientes." (excepto se for algo realmente inovador).
"Não somos uma editora livreira ainda que gostássemos de poder vir a ser."
"Em virtude da nossa diminuta planificação editorial e da necessária selecção de originais que temos de fazer, não nos será possível considerá-la para publicação."  
"O plano editorial está completo, pelo que não podemos publicar a sua obra."
"Não é aquilo que procuramos."
"Não é algo que se destine a esta editora."
"O nosso grupo editorial não se entusiasmou com a sua publicação."
"(...)
Recomendamos que compre/leia a nossa revista online."

"Não temos lugar para o seu trabalho, mas obrigado por nos ter escolhido."
"O nosso grupo de aconselhamento decidiu não o propor para publicação."
"Temos a nossa programação encerrada por mais de um ano.
Continue, ainda assim, a apoiar-nos."


Saudades dos tempos do correio físico, o correio humano e normal, que não escapava em nada aos mesmos proformas de agora, mas deixava-nos uma carta de rejeição nas mãos, estampada e assinada e suficientemente frustrante para podermos criar um relicário de rejeições nalguma parede nua pela casa.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…