Avançar para o conteúdo principal

Que se fornique a poesia de uma vez!

Respondam-me lá; por que razão se terá de deambular, em ordem decrescente, por alfarrabistas desconceituados, a caminho determinado do fecho, feiras do livro sem vigor altivo, sempre em saldos, amigos donos de tascos esclarecidos, tertúlias ditas poéticas, que se firmam em abraços falsos, ou, horror dos horrores, inóspitas páginas do Facebook, para se ler poetas tão humanos, tão vivos, tão abertos a todas as almas que, em determinados instantes da encruzilhada dos tempos, detêm nas mãos os destinos da nova poesia portuguesa?
Ou será mesmo verdade que o rumo de um poeta neste país, se faz e desfaz no paladar de um punhado de iluminados que sobre eles escrevem, nos sítios certos aos olhos da maioria?
Anda-se a tossir o desespero de só haver poeira e papel velho neste canto estreito do atlântico? É isso? Poderá ser isto verdade? Digam-me lá, que eu estou um pouco confuso por beber demasiado.
Há lugar para a poesia em Portugal? Longe das pobres comemorações, das funestas republicações, das obesas vaquinhas sagradas de morte já anunciada? Foda-se! Há ou não?
Para nossa eterna vergonha, já nem falo dos excomungados, que a esses, ainda, vez em quando, alguém se lembra de trazer à luz as obras completas. Falo dos patrícios novatos. Daquele "miúdo" de quarentas e tais anos, que se atira no dia de hoje, às farpas venenosas, e tenta, caramba, tenta! - Escreve em sangue, sem papel timbrado.
Que futuro que não seja de sombria maldição, poderá tombar sobre esse indivíduo (exposta generalização) de grande riqueza espiritual neste melancólico país de financeiros? Nenhum, certo? - Espera-o a obscuridade absoluta. Ouço comentares tranquilos, de sorrisos mansos, parcos de vontade de mudança, e penso; foda-se, poderia algum mestre d'outrora aturar esta fineza de últimas confidêndias grotescas? - Não! Claro que não. Foda-se, nem pensar!
Que merda de país é este, onde a poesia morre em duplicado. Primeiro em vida, depois, de verdade, numa morte definitiva, para sempre. Espanta-me descobrir que ainda existem tantos que a escrevem. Pobres ingénuos, que acreditam que um livro é a eternidade, e continuam a escrever os tristes, como colmeias acéfalas... escrevem, para o cão, o gato, o mar, o amor, o sexo, os amigos férreos e a transição de um estigma, que, uma vez criado, irá durar e muito dificilmente se perceberá, á luz do poder estabelecido. Mas que será à mesma, mau, mau... terrível. A nossa directa riqueza espiritual comum, atirada ao esgoto, por mor de tantos e tantos e tantos, que querem ver-se eternos sem o merecerem. Escrever não é um direito, sabem?
Onde anda a verdadeira poesia? Perdida, sim. Perdida entre tantos opúsculos merdosos que todos os dias saíem do prelo "on demand", entupindo o caminho para os verdadeiros poetas.
Mais tarde ou mais cedo, morreremos todos nesta avalanche, e só os dilectos olhos dos mais discretos leitores, encontrarão o estricto sentido escrito para tanta palavra impressa.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…