Avançar para o conteúdo principal

Poema 13


 
Não retorno,
ao percurso direito dos nossos caminhos,
ao abrigo quente das nossas palavras desavindas.
É o meu encontro diário, sem endereço,
que neste peito os dias não se amarram com cordelinhos.
Andam soltos,
quais aves livres de distantes prisões infindas,
poisadas no desvelo com que te meço.
Não regresso,
às marcas tristes da minha distância,
a lonjura pesa-me na alma, mais que o mundo inteiro,
e só quero voltar a adormecer em teus braços,
naquele nosso amor anoitecido.
Secretamente, não ponho um fim nesta errância,
de vagabundo, fugitivo de qualquer brilho mais caseiro.
Sim! Não quero voltar,
ao mais perfeito momento,
da mais perfeita loucura.
Apetece-me esquecer o meu nome, e escrever para sempre "nós" e "fugir" e "amar"
e relegar todas as pedras que não me fazem ser uma casa,
todos os livros com palavras não desfolhadas,
todas as mulheres que me envenenaram devagar.
Cansei-me de golpes talhados em pó,
de trazer a língua arrastada pelo chão.
Traduzo silêncios agora,
não ouço, não te escrevo, não penso,
nem falo sequer.
Assim, quero edificar-me de incógnitas,
que agora, só o teu nome me serve de alimento,
a solidão, meu amor, é uma coisa de morte, que perdura,
e os homens não foram feitos para morrer sós,
na espera de encontros que ficam por fazer,
numa súbita lentidão de maus enganos.


2012 

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…