Avançar para o conteúdo principal

O Mundo de acordo com Garp

O cristal mal visível da barreira final é impenetrável. O ar carregado lá dentro, incompreensívelmente pesado, segura, sem grande custo, toda a estrutura daquilo que anima a criatura. - Alma? Não sei o que é isso. Talvez a tenha perdido naquela noite, na praia, quando me apeteceu ir passaear os gatos. Mais perguntas assim e desato num pranto, pára! - Exclamou.
Mexia-se cautelosamente como numa dança coreografada em câmera lenta. - É um erro enorme, ainda acabas morto. - Disse-lhe depois. Nem tinha reparado que havia utilizado o termo impenetrável. À quarenta e dois anos que procurava os restos imortais de qualquer coisa que lhe significasse algo mais divino que um mero deus comum. Nos anos 80, julgou conseguir fossilizar o futuro, pouco tempo depois, descobriu que o futuro pertencia-lhe e perdeu definitivamente aquele ar calmo e contido. Começou a fumar, num fingimento desse mesmo ar. Mais tarde, na década de 90, ficou conhecido por ser o segundo a descobrir o famoso "amor para sempre", uma semente petrificada do melhor embuste conhecido, puro, desenterrado há milénios no deserto Núbio do Sudão. Foi quando começou a beber.
Educadamente, peguei-lhe numa palavra, uma das mais pequenas, e pedi-lhe que trincasse uma pontinha, uma só vogal sumarenta. Naquele espaço curto da boca, que parece esconder tudo, vi escorrer-lhe um fio de negações intransigentes, que rapidamente lambeu. 
Naquele tempo ainda trauteava canções. Melodias insípidas que guardou da altura em que o futuro lhe pareceu feito de pedra. De 4 em 4 compassos, levantava os pés, ora para a frente, empinando graciosamente a biqueira, ora para trás, rodopiando o calcanhar sob o meu olhar atento. A experiência ensinou-o que só com a estupidez se consegue aligeirar o ambiente e impedir o dilúvio. 
-  Valha-nos a estupidez então. - Respondi-lhe. Ele fitou-me com olhos bovinos, e disse-me que a depressão não é nenhuma piada. Nem o homem mais engraçado do mundo a pode fintar.
-  Pensa sempre positivo, sempre, sempre... - Riu-se na minha cara. Não foi um riso discreto. Havia algum mau teatro ali à solta.  Mau, por ser verdadeiro. Nem tudo o que é falso é bom.
-  Isto mata-nos a sério. E nem o mais perfeito optimismo nos pode salvar. É verdadeiramente impenetrável.
Nem quis acreditar que ele me ouvia com atenção. Ele usou a minha palavra, e acreditei naquele instante que poderíamos ter sido bons amigos. Porém, tinha razão. Vinte dias depois, apareceu morto em casa. Tinha um buraco enorme no peito, do tamanho do grande desprezo irracional que mata mais que a peste. O médico legista, diz que foi suicídio, ninguém contestou e ficou o caso encerrado.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…