Avançar para o conteúdo principal

Negras terras longe de Deus e de tudo.



Santifique-se a ignorância, pelo amor de tudo! É o único caminho para longe da loucura. A pobreza espiritual chegou a níveis tão alarmantes, que qualquer pessimista feroz, é imediatamente escorraçado, ostracizado, repelido, esquecido ou eliminado da sociedade. Isto é tão gritantemente comum, que até chateia. - Schopenhauer chamou-lhe "a vontade", eu estou mais com o Darwin, e chamo-lhe "evolução da espécie". - Aquilo que se pretende como sensibilidade humana há muito que deixou de ser um dialecto comum. Puseram fim aos solilóquios profundos, e pensar tornou-se uma nódoa quando exposta a um público específico. No fim, ganham os mais fortes, até podem ser os alemães, ou os grupos de pressão mais numerosos, e, ainda que, no caso humano se descarte a sua característica mais relevante; a inteligência - a evolução, essa grande cabra insaciável, não se detem por nada, e ai de quem não se adapte, resta-lhe um só caminho: enfiar-se num saco e morrer.


São sempre as boas retóricas que contam, ou as boas palavras que lhes darão origem, ou não fossem estas invasões napoleónicas dos novos deuses bem comportados, bem-falantes e bem-escreventes a conquista derradeira destes novos maus tempos. - Maus, assuma-se, do ponto de vista de quem não alinha com esta nova verdade.
Porque a verdade, fugindo à luz que a cega, perdoa-lhes todas as gabarolices e petulâncias, apenas e só, porque estas criaturas, são do domínio da felicidade, salvo seja. E o novíssimo Homem-deus-digital-ignorante tem de evoluir para ser feliz, custe o que custar, e até forçar um bom-sorriso vez em quando, esgalhar a cabeleira para o auto-retrato, para agradar às miúdas e aos indecisos. Serão estes os novos messias que nos trarão a oferta da cultura, do sexo e do dinheiro livres de custos.
Este novo herói, encharcado em vaidade e cultura até aos ossos, jactante de novas intenções, avança sem parar, altivo, e sem receio de mansas retaliações dos hunos façanhudos, os mal-dizentes por ressonância, que deliberadamente se atiram de cabeça contra as paredes. - Que podem estes fazer contra o progresso, excepto iso? - O herói-deus-pseudo niilista, é um vencedor por excelência, já nasceu assim no meio dos outros vencedores, e nunca se amedontra ante duas ou três varadas do marmeleiro dos derrotistas. - Dói-lhe em algum lado, mas nem sabe bem onde esse lado fica, pois nem sente dor, é todo ele feito de bem-intencionada carne renovada. Santificado seja!
É de louvar mesmo. Bem os haja. Já eu, que critico como quem solta gases, conheço o meu lugar neste novo mundo de bons-heróis; sou o merdas derrotista, o fatalista derrotado, ou ambos, assim direito ou do avesso, a ordem pouco importa, o que importa é que sei disso. Eu sei! Quero ter certezas nas minhas derrotas, sentir-me minimamente engrandecido pelo meu devido lugar nestas longas terras negras. Quero lá agora ser responsável pelas tristezas dos outros. Livra! - Os outros também podem ter os seus próprios ideais de heroísmo sem terem de pedir vénia para falarem. Eu não pedi. E aqui está. E tem estado nos últimos quatro anos. Na internet, existem tantos speakers corners, como poios de merda de cão na relva em frente à minha casa. Há lugar para todos, desde que todos se remetam aos seus devidos lugares. Se os ultrapassares, és tu quem acabas por levar na espinha, e a ti irá doer-te concerteza, pois sabes de cor, todos os sítios das tuas dores passadas.
Demais a mais, o que esperavam seus tolos? É isto a evolução. Tem de servir um propósito que sirva a maioria, e a maioria quer ser feliz, ainda que não saiba bem porquê. Não é suposto o Homem procurar o seu próprio sofrimento, seja este poético ou auto-erótico, deve sim, sentir-se seguro com a certeza de que este lhe será imposto por outros. E muito bem imposto, diga-se de passagem. O retorno deste novo fascismo moral era expectável, surge sempre que o optimismo ingénuo está em alta, e a igualdade em extinção.
Portanto, sim, dogmatize-se a estupidez liberal, disfarçada de seja o que for. São estes que conferem autenticidade aos novos regimes. Que nunca se resignam às sextas-feiras, em dias feriados ou em tempo de férias. Esses mesmos. Os que validam a visão maniqueísta, segundo a qual, a forma os faz indefenidamente testemunhas, e isso é o que mais queima por dentro.  Saber-se responsável e ainda assim mostrar-se confiante. Eu não! Eu sou um derrotado gordo e infeliz, cheio de culpas. Foi a isto que Jean-Paul Sartre chamou de o "nada". - Eu sou o NADA, longe dos deuses e de tudo, só a observar aqui no meu canto, e a escrever como um louco indigente.
Vá lá. Tudo isto é pura estupidez sem bases sólidas. Sublime-se o avanço cego dos remorsos, dos olhares compassivos, da caridadezinha, o despeito pela má nutrição dos rezingões. Dar uma mão a quem não pede nada, tornou-se agora um mero anexo geográfico ao alcance de todos. Basta criar um evento ou tomar um banho gelado. Sim. Enredem-se nas malhas da lógica do martírio, e aguardem pelo que vem a seguir. - Surpresa seus caguinchas! Agachem-se e encaixem a direito por aí dentro, seus cretinos simplórios. Como se esperassem estar à altura de tanta ignorância. Tolos! - Sim, adorem esses belos eternos vanguardistas, esses meninos e meninas dos slogans sumários contra a propaganda imperialista. Deem-lhes rédea solta, ofereçam-lhes canções inspiradas, poemas, largos cartazes sarcásticos pelas ruas, eles merecem, caramba! São o fruto da evolução da espécie, e vocês, nós, meros desperdícios de espaço em terra de novos deuses.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…