Avançar para o conteúdo principal

Jogo das cadeiras

Sentado, ocupo um lugar esquecido pela idade. Incapaz de me agarrar ao verão, deixo-me ficar. Por respeito, ninguém comenta isto. É justo, mas tão triste em simultâneo. 
Entre todas as coisas boas há este mesmo espaço, se se considerar que cada coisa boa, ou má, ou mesmo assim-assim, tem apenas dois lados, sempre desenquadrados. - Deixem-me explicar de outra forma. -
Considere-se uma estrada de terra, por exemplo, rugosa, uma longa estrada atafulhada de pequenas pedras e torrões de terra soltos, sem fim à vista, com campos verdes desiguais dos dois lados. Terra arada de um lado, esmero, organização de milho infindável, protegido e desabitado, produto da mão humana. No outro, relva fresca, poças de água e muita bicharada invisível, ocupada a viver as suas vidas.
Pressente-se um qualquer movimento a qualquer momento, mais do que a simples brisa suave que a atravessa no sentido longitudinal, e de repente, no único caminho que a cruza de través, ao lado do pequeno barraco de madeira das ferramentas, surge um homem com uma barba desgovernada, e uma mulher de cabelo em copa densa, mais permanente que perene. Por cima de ambos, o movimento antecipado; esvoaçam falanges de andorinhas, sem rumo aparente. A espera que se me foi amontoando fez-me doer os músculos e o meu corpo tornou-se um lugar desconfortável. Ansioso pela próxima coisa boa, nem dei conta do tempo que desperdicei, a caminho de lugar nenhum. 
A mulher aproximou-se, determinada, mas de rosto meigo. Trazia algo nas mãos. Algo laranja, vivo. Difícil lembrar o que era. Vive-se tanto tempo, entre  lembranças foscas e o desespero de um futuro, que nem se repara nas coisas mais simples. Vive-se só um tempo de envelhecimento, e as coisas dividem-se em outras coisas, que por sua vez, também tem dois lados. 
As andorinhas sumiram-se do horizonte. O homem penteou a barba com os dedos e deu um grito curto. Só o milho se curvava agora com o vento. A mulher volveu atrás e continuaram ambos pelo caminho lateral, até serem dois borrões desfocados, depois dois pontinhos e por fim, nada.
Vive-se assim até ao momento em que a próxima coisa boa não chega. E a espera não acaba. E o corpo, sentado, não deixa nunca de doer.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…