Avançar para o conteúdo principal

De noite finge-se amor entre os paralelos.


Naquela noite, mesmo sem o sabermos,
fizemos amor como pequenos deuses.
Havia lágrimas ou tristes ramagens desfolhadas sobre a margens
dos teus olhos,
de cujo brilho verde brotava um rio inteiro,
em cada gota de peixe que deles descia.

Fizemos amor sim, como criaturas solitárias daquela única noite.
Sem hora ou destino marcado, às cegas e às escuras, a minha mão e a tua,
depois o teu peito e o meu peito, paragem abrupta, sem jeito
já havia tanto de nós à mostra. Fizemos amor em andamento.
Primeiro na entrada, depois, a escorregar da relva húmida até á estrada,
depois no carro, depois na saída, nas lajes pardacentas, depois n'areia,
por fim no mar ou na lua, nem sei bem. éramos só um.
E como não soubemos nada sobre esse amor, assim ficou,  
para sempre preso nesse brilhante escuro, 
dos objectos incertos que nos cercavam.
A noite acendeu depois as estrelas, porque teve medo da nossa própria escuridão. 
E todas as lágrimas de todos os ramos sobre a margem do teu sorriso de ouro, brilharam acima da incandescência da tua boca de menina, onde cada dente era uma gota, e cada gota sempre um peixe inquieto, e em cada peixe uma promessa se agitava, como se agitam todas as promessas, no lugar onde se reproduzem as memórias.
Fizemos amor quando te destapei as coxas com um vento vindo da minha boca, 
e quando acordei no escuro gemendo baixinho pelo teu nome. Quando pousei o lençol dos meus braços, no teu peito, lembrando o ângulo das chuvas da nossa infância, e os brandos fins-de-tarde que nos encostavam ao mar. E todas as ruas aos quadradinhos que nos vieram aqui deixar.
Fizemos um amor de filigrana por entre esses motivos de areia entre os teus dedos,
na descoberta de duas carnes de uma só pacífica brancura,
e não terás de saber que me perfumei para ti, que masquei um chiclete por ti, que me vesti e despi sete vezes, que saltei, que me despojei no oceano, que me ri, sem ter razão para chorar.
Que me acreditei a viver para sempre no espaço dos teus olhos, entre as folhagens bravias das tuas lágrimas alegres e o percurso direito desse teu rio, imenso...
Fizemos amor sim,
sem sequer sabermos, que daqueles corpos já nada nos pertencia, desaguavam apenas fios de memórias, para o côncavo só de cada uma das nossas mãos. Inutilmente abertas, na eterna espera de um gesto que se o fizéssemos, seria mesmo assim,
exactamente assim, como este poema!

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…