Avançar para o conteúdo principal

Auto-retratos sem Rosto


Havia de se poder submeter a sufrágio os auto-retratistas. Não falo daquele voto anódino dos comparsas, mas sim de uma eleição a valer, aberta a todos. É que, esta inconstância de máscaras é tal, que chega a provocar tonturas.
Da minha parte, deixei de ver as "selfies" do Facebook, apesar de algumas, memoráveis, entrarem directamente para o panteão dos excelsos egocêntricos. Na verdade, deixei de ver tudo no Facebook, tornei-me incapaz de lá existir. A culpa não é de mais ninguém, senão minha. Como toda a gente sabe, tudo perpassa um sentido de ridículo quando atinge o exagero, o auto-retrato é um deles, e o Facebook extravassa-o, é, o exagero do tudo, onde só os misantropos coexistem com os seus rostos de pau. Eu já não consigo, o meu tédio fugiu das pessoas. É tal a melancolia, que se tornou em aversão.
Posso estar-me a cagar para tudo isto, e até estou, não me limpem a boca antes de tudo sair inteiro, só que, não reconher o que não gosto, torna-se numa cegueira, e, os cegos, ou os mudos, ou os excluídos podem ser tão maus quanto qualquer um. Julgar os perfeitos e denegrir os não-acabados é um absurdo igual a tantos outros deste meio. Os ditos "deficientes" sociais, também lá existem, pronunciando opiniões de longo alcance. A diferença, é que não existe ninguém em seu redor.
Esta alusão constante à vida privada, é um logro, sabem? Ninguém ri ou chora assim tanto, ninguém vive assim tanto. A liberdade é total, mas não é ali. Considerar um mural como a "casa" de alguém, é o exponente da estupidez moderna. As "casas" são todas iguais, arquitectadas em Palo Alto por um engenheiro de sistemas "cego", ou "estúpido" a tudo aquilo que cada utilizador distante pretende. O rigor destes tempos equilibram tudo, menos a comunidade.
Se pudessemos dar ao que se escreve os tons musicais das grandes partituras (adágio, piano, allegro, molto vivace), tudo seria mais fácil, mas, não é. De caminho, como é hábito nos calhordas (reais ou virtuais - é tudo a mesma merda), que vão lançando farpas sobre a insinuação da vida privada de qualquer um, o ressabiamento e a maldade vão crescendo exponencialmente até tudo ser uma casca azul.
E no fim, ficam os auto-retratos ali dispostos como teoria do levantamento do ego, cada um mais exposto que o anterior, até não haver mais ninguém que os aguente ver sem conter um vómito.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…