Avançar para o conteúdo principal

Auto-retratos sem Rosto


Havia de se poder submeter a sufrágio os auto-retratistas. Não falo daquele voto anódino dos comparsas, mas sim de uma eleição a valer, aberta a todos. É que, esta inconstância de máscaras é tal, que chega a provocar tonturas.
Da minha parte, deixei de ver as "selfies" do Facebook, apesar de algumas, memoráveis, entrarem directamente para o panteão dos excelsos egocêntricos. Na verdade, deixei de ver tudo no Facebook, tornei-me incapaz de lá existir. A culpa não é de mais ninguém, senão minha. Como toda a gente sabe, tudo perpassa um sentido de ridículo quando atinge o exagero, o auto-retrato é um deles, e o Facebook extravassa-o, é, o exagero do tudo, onde só os misantropos coexistem com os seus rostos de pau. Eu já não consigo, o meu tédio fugiu das pessoas. É tal a melancolia, que se tornou em aversão.
Posso estar-me a cagar para tudo isto, e até estou, não me limpem a boca antes de tudo sair inteiro, só que, não reconher o que não gosto, torna-se numa cegueira, e, os cegos, ou os mudos, ou os excluídos podem ser tão maus quanto qualquer um. Julgar os perfeitos e denegrir os não-acabados é um absurdo igual a tantos outros deste meio. Os ditos "deficientes" sociais, também lá existem, pronunciando opiniões de longo alcance. A diferença, é que não existe ninguém em seu redor.
Esta alusão constante à vida privada, é um logro, sabem? Ninguém ri ou chora assim tanto, ninguém vive assim tanto. A liberdade é total, mas não é ali. Considerar um mural como a "casa" de alguém, é o exponente da estupidez moderna. As "casas" são todas iguais, arquitectadas em Palo Alto por um engenheiro de sistemas "cego", ou "estúpido" a tudo aquilo que cada utilizador distante pretende. O rigor destes tempos equilibram tudo, menos a comunidade.
Se pudessemos dar ao que se escreve os tons musicais das grandes partituras (adágio, piano, allegro, molto vivace), tudo seria mais fácil, mas, não é. De caminho, como é hábito nos calhordas (reais ou virtuais - é tudo a mesma merda), que vão lançando farpas sobre a insinuação da vida privada de qualquer um, o ressabiamento e a maldade vão crescendo exponencialmente até tudo ser uma casca azul.
E no fim, ficam os auto-retratos ali dispostos como teoria do levantamento do ego, cada um mais exposto que o anterior, até não haver mais ninguém que os aguente ver sem conter um vómito.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…