Avançar para o conteúdo principal

Monty Python's a voarem dentro da minha cabeça


Posso dizer com alguma propriedade que cresci a ver estes tipos. Teria o quê, uns quinze, dezasseis anos, quando senti a primeira grande boa estalada da descoberta de um humor estranho, único, que só consigo comparar à audição de uma primeira ópera. O "Flying Circus" é exactamente assim. Uma daquelas expansões cerebrais que, ou dá o passo definitivo para o amor eterno, ou se transforma de imediato em repúdio.
Caiu-me nas mãos uma cassette VHS, empréstimo de um amigo mais velho, que ali gravou uma série de episódios directamente da fonte, a BBC 2. Tive de ver aquilo às escondidas dos meus pais, como se visionasse pornografia hard-core. O "Garganta Funda" ou a "Debbie does Dallas" talvez não os alarmasse tanto como esta loucura desbravada à qual o seu filhinho inocente se estava a expor voluntariamente.
Andei uns dias macambúzio, a pensar no sketch do papagaio. Como era possível aquilo? O jogo de futebol entre os filósofos gregos e alemães, conseguiu-me 19 valores no 11º ano nessa disciplina. Juro que é verdade. 
Estes tipos não cumpriam regras, e nunca fizeram um mínimo esforço para seguirem o caminho mais percorrido. Pelo contrário, desbravaram os seus próprios caminhos, e estabeleceram as regras para tantos, tantos outros, que lhes seguiram, nos quarenta anos após a sua primeira aparição.
Fiquei viciado desde o primeiro contacto, e procurei ver tudo onde os Python metessem os dedos. Foi uma viagem memorável, e hoje, graças a eles, continuo de mente aberta, exponenciada por essa e por outras liberdades que lhe fui adicionando de bom grado. 
Ontem há noite, tive o assombro de os ver (quase) ao vivo. Em live feed para todo o mundo, directamente da arena O2 em Londres, os velhinhos Python's, gordos, grisalhos, meio esquecidos nas deixas, mas sempre, sempre loucos, deliciaram mais uma vez (a última), milhões de dedicados fãs que conseguiram um assento num cinema seleccionado, e posso dizer-vos com a mesma propriedade de antes, que não deixaram ninguém decepcionado.
Cantei sem medo dentro de uma sala de cinema, ri-me de tal maneira, que deixei os olhos em chaga de tanto chorar, debitei todas as deixas chave de todos os magníficos sketch's muito baixinho, para dentro, como se estivesse a assistir a uma missa da minha religião eleita, em devoção profunda. Pus as mãos na cabeça, os braços no ar, e quando saí do cinema, ainda vinha a questionar-me sozinho: Porra, já vi isto tudo centenas de vezes, como é possível continuar ainda a ser assim tão bom?

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…