Avançar para o conteúdo principal

Amores de repente



No outro dia, lavava a loiça e comecei a agrupar em pares as coisas semelhantes, grato por haver ali espaço para o amor espontâneo dos objectos. Mais tarde, no mesmo dia, apanhei-me a fazer o mesmo com a cor das molas, ao emparelhar roupa de coração ao alto pelo delgado do estendal.
Vi almofadões malabaristas apaixonados, porque lhes tremia o estofo transacionado nas minhas mãos. Contorciam-se pelo tecido abaixo, acrescentando formigueiros às penas desvairadas, alinhavavam-se um ao outro. Por fim, lá relaxaram, num sorriso aveludado.
Houve até um par de candeeiros que se acendeu em um instante menos ortodoxo, para a gravidade de porte da mesinha de cabeceira. Gozaram intermitentes pela noite inteira, tão foliões quanto lanternas oferecidas.
Pela casa adentro, onde as janelas dão o presente e o que foi assentou perene no chão vago, os acasos despertavam as coisas inanimadas, posto que só juntos continuariam carreira pela vida fora.
Suspenderam-se os conflitos armados da intimidade entre as lombadas dos livros e as capas dos discos de vinil. Ao mesmo tempo, rebentaram acrobacias no resguardo do chuveiro, sabonetes e champôs a saltarem para os colos dos parceiros. Assisti à dança dos panos da loiça, tangentes ao suporte dos condimentos, e bem no fundo da despensa, duas latas de feijão, um manteiga o outro preto, fumegavam.

Formavam-se beijos mais demorados entre a passadeira no corredor e o velho tapete da entrada. Espantaram todas as espirais da minha sala, tão curta para piruetas. Havia ali disponibilidade para saídas não anunciadas. Este quadrado de metros, que nem gostava de metáforas interiorizava tudo e memorizava o tempo em circunferências misteriosas. Era só a vida fazendo planos sozinha para amores de repente. 

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…