Avançar para o conteúdo principal

Tão pequeno que é amor.

Somos partes pequenas e iguais, vivemos engrenados enquanto servimos o maior dos mistérios, até que se esqueçam de nós ou que este nos falte. Aí, então, fazemo-nos de grandes, insuflados gigantes rídiculos de passos largos, sem rumo. Porque deixámos de ter um sítio seguro onde funcionar.
Foram esses os inventores do amor, sim, esses! Os enormes vazios que erram agora sem destino. Perdidos. Criáram-no um dia, no dia em que se fartaram de ser pequenos e sem importância. Depois, tudo se tornou mais difícil. Perderam-se pelas cidades em magotes de gente cheia dos mesmos iguais anseios. Impossível de se vislumbrar de tão vasta altura. Enormes peças imperfeitas de gente.
É que não se pode amar sem perder o medo desta mecânica. Corpos juntos, insignificantes, mas eternos. Sem escolhermos a coragem da geometria. Ruas que cruzam ruas, esquinas que dobram vidas, jardins onde os nossos corpos passeiam e se escondem, embaixo dos verdes tectos onde o amor cresce e se alimenta de noite, sem nunca ser visto.
Igualmente importantes são as árvores pela cidade, como também são os candeeiros de rua, e a cor dos contentores, a inclinação das vielas e os desenhos losangonais na calçada. Tão iguais como a brevidade de um beijo ou o entrelaçar de um par de mãos. Somos a carne e o pó soprado pelo vento, a ínfima centelha que deixámos crescer enquanto nos fizer sentir pequenos, irreconhecíveis, anónimos, felizes.
Somos tantos que só assim pareceremos maiores que os gigantes criadores que desbarataram o amor pelo receio de não serem vistos. E pode muito bem amar-se só por estarmos aqui. Por nos sabermos aqui. Invisíveis. Mais não será preciso inventar-se.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…