Avançar para o conteúdo principal

O cheiro do fogo no teu rosto






O teu rosto enche-me a memória, de uma visão triste,
aquele instante que precede o fim,
antes mesmo de as minhas mãos lhe tocarem,
ou se encherem da ansiedade de cimento,
de um vento fresco que chamo de o fim do tempo,
morreriam felizes, a iluminarem-se,
do toque que o teu olhar pousa em mim.
Se houvesse alguém eleito para o descrever, 
seria pálpebra, pálpebra, nariz em curva, lábios de carmim.
Escondes em teu rosto a alma secreta da minha paisagem profunda,
feita de socalcos de rugas, de limites passageiros, 
de tanto que perdura cá dentro.
E nos céus áridos da minha imaginação,
passo de homem a vegetação verde que vive para te ver.
Arrefecido de pedras, à noite, a descansar nos teus restos de calor,
entre o verde brilhante da tua visão fecunda,
e a água parada da minha pobre consolação.
De luz em luz, em constante credo,
alvoraço a palidez desconjuntada deste fugaz ardor,
a tua face límpida da minha,
os teus dentes movendo-se iguais ao meu medo,
os teus olhos turvos destes dias sem destino.
Vendo-me à paz deste teu lume curvilíneo de desamor,
vencido pelas expressões que fazes, e que só no meu desejo imagino.
Se eu soubesse dar às palavras descrição dos recantos da tua pele,
partiria todos os espelhos, todos os corpos de água.
Pudesse eu encher-me desses contornos perfeitos,
rutilantes, cheios de brilho, redondos e carregados do meu reflexo,
seria devagar, maciamente,
as mãos divinas, merecedoras da leveza dos teus trejeitos,
caminho certo até ao descer decidido dos teus peitos,
onde se colora a pureza do sangue.
Tão grande que, se beijasse esses olhos,
na cor vermelha que saliva por estes líquidos momentos,
encontraria certamente, o motivo para este poema.

Casimiro Teixeira
2012

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…