Avançar para o conteúdo principal

Contos de nós.


 
Para se ser completo, é preciso um certo tipo de silêncio primórdio, da capacidade optimizada de se filtrar todo o ruído em redor. Cada vez mais, na nossa sociedade sediada em redes, tudo se torna demasiado intrusivo; cada movimento e rumor são imediatamente "postados", "tweetados", "instagramados" ou "blogados", e o assassinato sistemático da contemplação que tanto desejamos, prossegue, num estranho tipo de distração letal, uma derrocada a caminho da procrastinação absoluta, que surge dissimulada no guia de um saber estar. Mas estar onde? Com quem? E porquê? - Se estivermos sós, seremos bichos? Perderemos o estatuto de ser pessoa? - É quase como se nos marcassem o cérebro em brasa, a ferro, como se fossemos gado, e nos dissessem: se não estiveres aqui nem existes. Acostuma-te a isso, ou morre para aí, sozinho. Obrigado. Que não existo já eu sei. "A existência não é objectiva, mas uma realização subjectiva do eu". Isto já dizia Kierkegaard, não é nenhuma novidade bombástica.
E nesta paisagem comum, de perfeito oblívio, o conhecimento não ajuda, mas sim vitimiza. Os novos heróis são filhos da ilusão, ainda que profundamente sedutora, é irreal à mesma, com a brilhante promessa de que a velocidade pode nos levar a mais iluminação, que é mais importante reagir do que pensar profundamente, que algo deve de ser ulteriormente anexado a cada pouco algoritmo de tempo que nos reste.  
É tramado isto! Enquanto aquilo que define a forma como cada um escolherá e agirá para dar sentido a uma vida que sente estar, dentro de uma finitude de si mesmo, o eco e o desejo insaciável pelo infinito; traços de uma dúplice realidade que habita em cada indivíduo, dispersam-se sem se completarem de todo. 
Eu não quero isto para mim. Porra! Ninguém deveria de o querer. Mas é esta a grande perniciosidade das redes. A tarefa de realizar a síntese dos seus contrários faz do homem um ser em devir por essência, mas nunca o explica. Torna-o num nômada eterno, agregado a um grupo de outros tantos nômadas que vagueiam iguais e incessantes pelo mesmo exacto espaço de sempre. Aqui, temos o meu problema de existência em poucas palavras, pois insisto em tomar a posição oposta. Acredito na imersão, no abrandamento. Tal qual um pedaço seco de pseudo-frango do McDonald's, também a pseudo-vida das tribos da rede é nociva para a saúde. Cada novo marco diário representa mais um coágulo espiritual não resolvido. E sem nos resolvermos, nunca nos sentiremos completos.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…