Avançar para o conteúdo principal

A caminho da tristeza.

Ando triste por estes dias: Aquela tristeza de pássaro sem nuvens, planando pelos telhados entre a maresia do tempo soalheiro e a longa cumeada estéril, sem alimento. Ando triste, pronto. Nem sempre a tristeza precisa de uma explicação, talvez até seja mais triste assim. Um fio de treva cá dentro, a povoar-nos de humidade. Estou sem explicação.
São tão grandes as minhas dúvidas, que só me inspiram desalento. Detesto isto. Estar assim, triste! Triste e outros tantos atributos construídos sobre adjectivos soturnos de igual modo. Tristeza! O que é isto? Estou incoerente.
Escrevo as minhas coisas e concentro-me no plano de vida. Tenho amor e tenho amigos, mas, ao mesmo tempo, não tenho ninguém que se interesse por mim. Estou egoísta. Estão todos interessados nas suas próprias alegrias e tristezas e eu, rancoroso do desdém que nem me atiram, definho. Estou parvo!
Escrever sem leitores é uma prisão sem carcereiro, enganadora de uma liberdade que realmente não existe, fora da nossa cabeça. Estou enganado?
Não! Estou triste, sim. Existir sem depois é algo que ultrapassa o egocentrismo, marca-nos de uma sanha irritante que não nos larga. Mal ou bem, queremos mostrar tudo, atirarmo-nos nus aos olhos de terceiros, e eu não posso. Não tenho dinheiro para ser visto, ou então, não possuo talento para ser interessante. Estou triste. triste, triste...
Cairá alguma sorte antes cedo, e com cuidado, que me afoge de morte toda esta tristeza? Pois não sei. Estou morto para o mundo, e nem sequer me vi nascer sem querer. Foi como se tivesse nascido ao contrário, enganando o rumo certo da natureza, e agora me sinta encolhido no útero vácuo do nada. É capaz. À tardinha espelho-me na janela e só ouço zumbidos reformulados, e depois entristeço-me por acreditar que mais nada de nota me irá acontecer neste Verão. Estou quase, mas sempre sem lá chegar.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…