Avançar para o conteúdo principal

A caminho da tristeza.

Ando triste por estes dias: Aquela tristeza de pássaro sem nuvens, planando pelos telhados entre a maresia do tempo soalheiro e a longa cumeada estéril, sem alimento. Ando triste, pronto. Nem sempre a tristeza precisa de uma explicação, talvez até seja mais triste assim. Um fio de treva cá dentro, a povoar-nos de humidade. Estou sem explicação.
São tão grandes as minhas dúvidas, que só me inspiram desalento. Detesto isto. Estar assim, triste! Triste e outros tantos atributos construídos sobre adjectivos soturnos de igual modo. Tristeza! O que é isto? Estou incoerente.
Escrevo as minhas coisas e concentro-me no plano de vida. Tenho amor e tenho amigos, mas, ao mesmo tempo, não tenho ninguém que se interesse por mim. Estou egoísta. Estão todos interessados nas suas próprias alegrias e tristezas e eu, rancoroso do desdém que nem me atiram, definho. Estou parvo!
Escrever sem leitores é uma prisão sem carcereiro, enganadora de uma liberdade que realmente não existe, fora da nossa cabeça. Estou enganado?
Não! Estou triste, sim. Existir sem depois é algo que ultrapassa o egocentrismo, marca-nos de uma sanha irritante que não nos larga. Mal ou bem, queremos mostrar tudo, atirarmo-nos nus aos olhos de terceiros, e eu não posso. Não tenho dinheiro para ser visto, ou então, não possuo talento para ser interessante. Estou triste. triste, triste...
Cairá alguma sorte antes cedo, e com cuidado, que me afoge de morte toda esta tristeza? Pois não sei. Estou morto para o mundo, e nem sequer me vi nascer sem querer. Foi como se tivesse nascido ao contrário, enganando o rumo certo da natureza, e agora me sinta encolhido no útero vácuo do nada. É capaz. À tardinha espelho-me na janela e só ouço zumbidos reformulados, e depois entristeço-me por acreditar que mais nada de nota me irá acontecer neste Verão. Estou quase, mas sempre sem lá chegar.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…