Avançar para o conteúdo principal

A caminho da tristeza.

Ando triste por estes dias: Aquela tristeza de pássaro sem nuvens, planando pelos telhados entre a maresia do tempo soalheiro e a longa cumeada estéril, sem alimento. Ando triste, pronto. Nem sempre a tristeza precisa de uma explicação, talvez até seja mais triste assim. Um fio de treva cá dentro, a povoar-nos de humidade. Estou sem explicação.
São tão grandes as minhas dúvidas, que só me inspiram desalento. Detesto isto. Estar assim, triste! Triste e outros tantos atributos construídos sobre adjectivos soturnos de igual modo. Tristeza! O que é isto? Estou incoerente.
Escrevo as minhas coisas e concentro-me no plano de vida. Tenho amor e tenho amigos, mas, ao mesmo tempo, não tenho ninguém que se interesse por mim. Estou egoísta. Estão todos interessados nas suas próprias alegrias e tristezas e eu, rancoroso do desdém que nem me atiram, definho. Estou parvo!
Escrever sem leitores é uma prisão sem carcereiro, enganadora de uma liberdade que realmente não existe, fora da nossa cabeça. Estou enganado?
Não! Estou triste, sim. Existir sem depois é algo que ultrapassa o egocentrismo, marca-nos de uma sanha irritante que não nos larga. Mal ou bem, queremos mostrar tudo, atirarmo-nos nus aos olhos de terceiros, e eu não posso. Não tenho dinheiro para ser visto, ou então, não possuo talento para ser interessante. Estou triste. triste, triste...
Cairá alguma sorte antes cedo, e com cuidado, que me afoge de morte toda esta tristeza? Pois não sei. Estou morto para o mundo, e nem sequer me vi nascer sem querer. Foi como se tivesse nascido ao contrário, enganando o rumo certo da natureza, e agora me sinta encolhido no útero vácuo do nada. É capaz. À tardinha espelho-me na janela e só ouço zumbidos reformulados, e depois entristeço-me por acreditar que mais nada de nota me irá acontecer neste Verão. Estou quase, mas sempre sem lá chegar.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…