Avançar para o conteúdo principal

O Jogo das Palavras

Confesso, não gosto nada de pessoas contentinhas, desagrada-me aquela gente que informa todos, por tudo e por nada, que estão naquele lugar impossível de sublime felicidade. Em especial, dessas pessoas que o fazem porque viram um filme, ouviram determinada canção, leram certo livro. Se dependesse destes, a literatura já teria se esvanecido da face da terra. Ainda assim, as pessoas ditas "normais" continuam muito apreciadas, apesar de quase sempre, serem estas que se constituem como as principais cúmplices do grosseiro mal visceral que atravessa a literatura actual. As pessoas "normais" são muitas, são a maioria, e são elas que compram os livros "normais", os livros sem excepção, os que só se vendem porque elas os compram.
Ontem lembrei-me de uma frase que Zelda Fiztgerald costumava dizer ao seu marido: "Ninguém mais do que nós tem o direito de viver, e eles, filhos-da-puta, estão a destruir o nosso mundo".
Talvez Zelda se sentisse um pouco exaltada pelo desdém a que ela, e, em grande parte, mesmo o seu famoso marido F. Scott, estavam votados nessa altura, contudo, acredito na verdade das suas palavras. Zelda sabia bem o que o jogo inglório do comércio provocava nas pessoas contentinhas que liam livros de merda, uma sensação anódina de satisfação cultural. Como leio sou culto, e como culto, influencio. As grandes editoras estão bem cientes disto, não se enganem. Todavia, as suas palavras ressoam-me tão verdadeiras hoje como então, e fazem-me odiar essa grande parte da humanidade "normal" que dia a dia destrói o meu mundo. Sim, eu também odeio as pessoas que são de uma grande bondade porque ninguém lhes deu a oportunidade de saber o que é mal e poderem então escolher livremente o bem. Soa-me sempre que esse tipo de pessoas "bondosas" são de uma maldade extraordinária em potência. Faz-me querer também detesta-los como Zelda as detestou e chama-las igualmente de filhos-da-puta! - Só não o faço porque sou um grande covarde de merda, e porque também ando neste jogo intransigente das palavras.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…