Avançar para o conteúdo principal

Uma vontade maior que a outra


Foi num dia como o de hoje, fez agora trinta e quatro dias, e a contagem pareceu-me cheia de uma esperança enganadora, e decrescente, depois se veio a confirmar.
Afaguei, inimigo do amor próprio, o derradeiro maço de cigarros, puro, quente, directamente da mão sedutora do senhor do quiosque. Pequenos pauzinhos de prazer imediato, não doseados, como conviria. Nunca, convenientemente doseados. O senhor do quiosque tinha sempre mais, o que inibia o doseamente ajuizado. Cheios todos eles, cada qual tomado de um sopro, e que, como sempre, desciam rápidos, como um vento passageiro. O tremor nas mãos não me traía nenhum nervosismo. Tremia porque acabara de acordar e estava sem fumar havia horas. Ainda não tinha descoberto como haveria de fazer, para fumar a dormir.
Acordado, fumava um mínimo de um maço por dia, só em casa - Não é muito, diziam-me os cínicos, igualmente transtornados por este mesmo vício legalizado. - Eu fumo aos dois, e mais até. Tudo depende da disposição do dia. - Pois, o consumo na rua era mais difícil de calcular. Uma vez por semana, juntava-os todos num mesmo saco de plástico, e botava os cadáveres para fora, à espera do lixeiro. Os vizinhos deviam achar que os moradores daquela casa fumavam muito. Se soubessem que um único morador engolia aquilo tudo, não acreditariam.
Dali a pouco, uns quatro cigarros teriam de bastar até o fim do dia. Foi a fraqueza de juntar o hábito à escrita que me danou. Mas, e o dia seguinte? E os 30 dias seguintes? Não tinha ideia, nem me preocupava. Afinal, não era verdade que dizia sempre que "fumava porque gostava" e que "seria capaz de parar quando quisesse"?
Os primeiros cinco dias foram um horror absoluto. O organismo reagia bravio ao corte súbito do suprimento, com tremores pelo corpo inteiro, agitação, pensos de nicotina, insônia, diarreia, muitas caixas de chicletes, taquicardia, acupuntura, suores, comida em excesso, possibilidade de delírio. Nos momentos mais lúcidos, as vozes da razão soavam muito longe e o que diziam, era um mistério. As visões das vozes que me congratulavam, não passavam de fantasmas sem rosto. Mas, aos poucos, o horror passou e, em menos de duas semanas, foi sendo substituído por uma sensação quase insuportável de lucidez, vigor físico e vontade de viver. Como nunca antes. Até hoje.
É certo que a pressão dessa vontade inferior, suplantou em parte, a outra, a vontade mais que perfeita do corte total. Hoje, ainda fumo, dois, três, cinco cigarros por dia. - Por vezes mais, digo eu, depende da disposição, e da forma como corre o processo da escrita, mas, já me sinto um homem mais limpo. O senhor do quiosque estranha a minha prolongada ausência, e eu rio-me, feliz, feliz. Tão feliz!

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…