Avançar para o conteúdo principal

Aguardo pelo centésimo macaco

O título é tão provocatório quanto verdadeiro. Logo verão porquê. 
Ao som, mais ou menos afinado do "Grândola Vila Morena", estes protestos dispersos que mais recentemente, têm feito honras de receção a todo e cada governante incauto que arrisque pôr o pescoço no lugar da boca, contêm, em si mesmos, a génese de dois fenómenos deveras interessantes: O primeiro, é o mais óbvio. A própria imprevisibilidade da acção. Que até se pode revestir de algum perigo, pois, como não exista organização que lhes deite a mão, sendo estas absolutamente espontâneas e independentes, abrem as portas a um tipo novo de poder invisível, igualmente nocivo a uma democracia saudável. - Que não haja aqui má fé ou má interpretação do que digo - Ainda bem, para já, que estes impulsos abruptos tem sido bem dirigidos, mas, e quando romperem todas as barreiras, e a excepção se tornar regra, desbaratando-se a boa mensagem implícita na força desta letra por todo o grão infeliz de indivíduos que decidam expor as suas próprias ideias? Quem decidirá, com nítida clareza, e boa razão, assente nos sadios princípios da liberdade de expressão, que este ou aquele, são agora também candidatos ao duro vaiar do descontentamento generalizado? - Poderei eu próprio, vir a ouvir o "Grândola Vila Morena" numa apresentação de um dos meus livros, se, porventura, alguém me decidir incluir no contracampo límbico de um todo fascizante? - É possível. É bem possível. Porque, individual ou colectivamente, a mente de um indignado, não distingue com grande clareza, turva que está, pela desdita da sua situação. É aqui que reside esse perigo. Estas ondas sem antecedência e sem estrutura conhecida e previsível, por vezes, de um cidadão apenas, um corajoso e claramente descontente cidadão, que recebe em si mesmo, só ou em grupo, um poder atómico e viral, idêntico ao da Internet, podem ser, e são, regra geral, devastadores. 

Mas, o segundo fenómeno, distintamente mais intrínseco e profundo, ocorre-me à luz de uma pequena história que ouvi em tempos, e que me marcou intensamente. Pode parecer quase uma nota de rodapé, porém, depois de a recontar, talvez entendam a relevância do meu raciocínio.
Durante os anos cinquenta do século passado, quando os homens, se divertiam na exploração de um novo "brinquedo" chamado atómo, fizeram explodir, por pura curiosidade científica, várias bombas atómicas nos mais distintos e remotos lugares deste planeta.
Algures, num pequeno atol desabitado no longínquo Pacífico, os ditos cientistas, despoletaram este poder avassalador de Deus moldado em parca mediocridade nas mãos dos homens. O resultado foi, igualmente óbvio, e desprovido de grandes surpresas. A intenção desta experiência, era a de atestar a durabilidade do efeito mortífero da radioactividade nos seres vivos. De modo que, alguns anos transcorridos sob a deflagração do átomo nestas cercanias, os mesmos cientistas decidiram pela povoação do lugar com uma infeliz população de macacos-cobaia.
Ora, os macacos cedo se começaram a alimentar da única e abundante fonte de energia existente no local: Côcos! - A questão, é que, as cascas fibrosas dos côcos, ainda detinham uma quantidade considerável de radiação, a suficiente para os exterminar em absoluto a médio-longo prazo.
A solução encontrada, apesar de pouco engenhosa, demonstrou vir a ser extremamente eficaz. Os sábios cientistas, ensinaram cerca de dez macacos a lavarem os côcos em água corrente, água fresca e potável, encontrada na ilha de coral, antes destes os comerem. E, em pouco tempo, já doze macacos o faziam, depois vinte e três macacos, quarenta e sete, setenta macacos lavavam os côcos antes de se alimentarem. Quando atingiram a marca dos cem macacos a emularem esta acção de pura sobrevivência, algo de extraordinário aconteceu.
Todos os dez mil macacos que habitavam aquele atol mortalmente poluído por radiação, começaram a fazer o mesmo, e, o resultado ulterior da experiência foi de um brutal sucesso: Todos eles sobreviveram! - É a este fenómeno que eu me refiro, e só anseio que exista alguém suficientemente arguto, em meio de toda esta corja de "macacos" que nos governam, que compreenda a viralidade deste processo já iniciado. Pois, de outro modo, e passe-se a referência cinematográfica, não me restam dúvidas de que, mais tarde ou mais cedo: "Haverá Sangue".

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…