Avançar para o conteúdo principal

Os nossos pequenos ódios.


Somos um país pequeno, e por vezes munimo-nos de pequenos ódios, que talvez sejam grandes demais para serem assim sentidos, com a cabeça quente. Alguns até se justificam pelo medo em que vivemos, ou não se justificam de todo, considerando que o ódio não passa de uma emoção, logo, cabe-nos a todos te-lo no peito a bel-prazer, mas nunca na razão.
Refiro-me concretamente aos comentários de Isabel Jonet, a senhora que se encontra à frente do Banco Alimentar Contra a Fome, e que afirma que a pobreza em Portugal é conjuntural, tornando-se, da noite para o dia o mais recente ódio de estimação nacional, pelo menos, no que às redes sociais diz respeito. 
Ora, a dimensão do disparate torna clara uma coisa fundamental: ainda não percebemos.

Aprovo cada ponto e virgula do discurso da Isabel Jonet, independentemente de quem ela é, da instituição que representa ou da condição monumentalmente desastrosa do seu jeito insosso de o dizer. Sobretudo, e isto é importante referir, no âmbito igualmente disparatado do insípido programa onde foi proferido. Aprovo-o ainda assim.
Calma, não levantem ainda as armas ou os ânimos. Essa é a raíz principal do desajuste dos nossos pequenos ódios. Pareceu-nos, a um dado momento que poderíamos ter tudo, comprar imenso, possuir muito, mostrar mais. Nós, somos a geração do deslumbre, do desvario. Ainda que fundado e financiado pelo desaviso do engano, fomos e somos ainda essa geração. Porque ainda não percebemos, mas lembramo-nos - Basta pensarmos com a razão em vez do medo, porque vimos os nossos pais fazê-lo - Vimo-los a reinventarem novos pratos a partir de restos, a fazerem durar um par de sapatos, a tomar bem conta de roupas usadas, para que pareçam sempre novas, a juntarem, a amealharem. Eu vi os meus pais a fazerem-no, e estou certo de que vocês também. Eu não conhecia muito bem a dita Isabel Jonet, agora que me apercebi, não gostaria de a conhecer melhor. É desarticulada na forma como fala, cheia de maneirismos de velho-rico, um pouco até presunçosa por abordar tais tópicos com aquele desplante de quem os experimentou. Cai muito mal esta nódoa, no pano sangrado de uma nação que tropeçou na condição digna de viver e sobrevive apenas. E mal.
Obviamente que, de todos os lados se levantaram as vozes iradas de quem já pouco consegue aturar da classe governante, quanto mais desta sensaborona mulherzinha, que nem se apercebeu dos ódios vivos que atiçou com as suas palavras mal edificadas. Eu fui um deles, confesso.
Todavia, existem verdades no que ela disse. Uma série enorme de verdades que a minha geração esqueceu, que os medos destes tempos absurdos, ajudaram a enterrar. Não pode ser assim. Teremos simplesmente que reaprender bons hábitos (e passar testemunho)...Temos de reaprender sim. Quero acreditar que o lado bom de isto tudo que estamos a passar vai ser esse e não outro. Não pode ser a posição sobranceira do "eu aqui" e os pobrezinhos lá em baixo. Os pobrezinhos agora somos nós. Já não é "aquela gente" como o António Lobo Antunes lhes chamou na sua crónica: "Os Pobrezinhos."
Ora, eu ouvi isto todos os dias da minha educação: são coisas que qualquer pai (e avó) competente repete aos seus filhos. São ilustrações simplistas de uma hierarquia de prioridades saudável.
Desse país, em que os meus pais cresceram, das senhas racionadas no tempo da Guerra ao medo dos filhos terem de ir para uma guerra colonial injusta e fora de tempo, já não restam mais do que impressões saudosistas, em que nem todos tinham bife para comer à mesa. A guerra agora é outra, mas igualmente letal. A democracia liberal trouxe-nos isto, e muito mais. Trouxe também alguns comportamentos de excessos, sim, e nós sabemo-lo bem.
Deveríamos fechar, pelo menos, metade dos centros comerciais, proibir o comércio de abrir aos domingos, construir parques e zonas verdes em todas as cidades, acabar com a televisão depois da meia-noite e desligar a Internet à mesma hora, metendo toda a gente na cama a ter orgasmos e a fazer filhos uns a seguir aos outros, que o país morre aos poucos também por falta deles.  
E mais não digo senão isto: Temos de nos deixar de ser carneiros, pensar com a cabeça e não com os ódios diários.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…