Avançar para o conteúdo principal

Tenho Fome!

Quem grande novidade vim eu aqui desabar: A escrita feita pela fome voltou a estar na moda! 
Páginas e páginas de relatos invejosos arrasados por correntes de ar viciado. Mas não basta ter fome sabem? Não! - É preciso penar essa sofreguidão diante do mundo.  Não basta somente a linha funda e sinuosa de uma consciência livre, o pé-ante-pé imponderável deste infindável amor pelas palavras, não. Tudo isto tem de ser medido, registado e cartografado até à exaustão. Para quê fingir tendenciosamente com a alma tudo o que as mãos já deixaram bem claro na genuína espontaneidade de um papel inconsciente? E atentem, que não me refiro apenas às zonas densamente povoadas onde todos deixam marcas mas acabam por dizer tão pouco; Se ainda menos esta fome fosse vista neste pequeno lugar aqui, e se todos levantassem o olhar do brilho das luzes e conseguissem ver mais além, no solo agreste dos bem saciados, talvez encontrassem tímidas linhas de passos arrojados, caminhados por anónimos calcorreadores esfomeados, que agora já se esqueceram até acerca do verdadeiro sentido da palavra fome. Ainda se ao menos isto fosse possível. 
É que as palavras deveriam ser tudo, pois é por elas que nos aguentamos de pé, quando tudo nos urge a queda, em fraqueza. Pelas palavras tudo de bom agoiramos, e mantemo-nos suspensos no ar em infinita interrogação, mesmo apesar da fome. 
Pois bem! Formem-se já batalhões de analistas desses trajectos, licenciem-se os cartógrafos desses misteriosos rastos; urge seguir estas almas e descobrir de imediato de que se alimentam, antes que sejam pisadas de novo e desapareçam. Também eu quero deixar de ter fome, viver na mesma nuvem onde esses vivem, e desaparecer também um dia, num silêncio bombástico. Eu tenho a mesma alma, o mesmo talento, a mesma ávida fome. O que me falta então?
No entanto, e para que não se ficcione a veracidade destes caminhos, o estudioso destas matérias deverá possuir uma de duas características que impeça que os seus próprios passos se imiscuam nos trajectos em estudo: ter algo de pássaro ou, em alternativa, de anjo; algo que mantenha o percurso intocado. Poderá o leitor mais cínico dizer que, se for pássaro, a atenção logo se virará para a mais gorda minhoca ou se for anjo, pouco ou nenhum interesse terá pelos assuntos terrenos, uma vez que sabe de antemão o destino de todas as coisas. Não senhor! Não é assim. Tenho fome e quero trilhar esses mesmos caminhos. Quem me levantará desta fraqueza colocando-me nessa senda?
Mas sabem, não estarão totalmente incertos no que deduzem. Por vezes a fome confunde-se tanto com a inveja, que chega a ser alvo de repúdio, logo descartada do interesse geral, atirada para um outro caminho mais sombrio, mais acanhado da curiosidade das gentes, e é aí que ela mais germina, mais cresce. Deixa de ser inveja, de ser até fome, torna-se furiosa pelo desdém a que foi votada, e mais cresce o seu perigo. Não se devia nunca ignorar as palavras dos que tem fome, pois algumas palavras quando querem, sabem voar, alçam asas e rapinam pelo mundo, com uma força imparavel de serem saciadas.
Mas não se apoquentem. Não há razão para medos. Quase todas as palavras tem fome, e só precisam do apreço de alguém para não se perderem. Estas, por exemplo, há muito que não se alimentam...




Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…