Avançar para o conteúdo principal

O primeiro dia importa.

Suspeito que me acerquei de uma coisa importante; uma conspiração indizível que me transportou indolente até ao passado: são os filhos que nos educam. - Banal? Eu não sei bem. - Eles não se limitam a abrirem os limites da imaginação, como se conta, saqueiam-na sem cerimónias. 
Que ideia extraordinariamente maquiavélica essa de aguardar pelo momento em que nos entregamos languidamente aos momentos dos filhos, em vez dos nossos. Caídos de cabeça aberta, naquele fosso inocente de sonhos tão vivos, como se deliberadamente no deixássemos cair numa emboscada de onde saímos felizes,  mas vazios de tudo o que era intimamente nosso. Seria certamente o último e derradeiro instinto altruísta? Talvez. Eu limito-me a chamar-lhe de amor incondicional. - Que coisa tão bela, e tão rara ao mesmo tempo. - E o mais sinistro é que fechamos a própria alma, onde nos lemos sozinhos diariamente, e avançamos somente, glorificando estes pequenos ladrões, pela sua magnífica capacidade de saberem, sem grandes esforços, o que realmente nos alvoroça cá dentro. 
Não me parece nada justo numa primeira instância, todavia, em determinada altura deixo de pensar com a razão que normalmente me assiste, - se razão existe em tudo o que me compõe - e cedo, melhor, sucumbo sem atilhos ou arrufos aquele deslumbre arrebatador de olhos brilhantes e sorrisos incorruptos pela desdita deste maldito presente.
Não sei, de algum modo pensei em tudo isto no dia de hoje, neste dia de novas aberturas para eles. Novos amigos e novas perspectivas. Em boa verdade, o primeiro dia de escola do novo ano.
Foi uma espécie de epifania, confesso, estranha sobremaneira, porque prometi solenemente não falar de mim no presente, não dizer que hoje, porque é hoje, não sou ninguém que aqui esteja. Porque prometi dizer-me apenas de um passado onde estive, cheio de casos e de perguntas e de aventuras também. E de amigos, de amigos sobretudo. Sim, tudo isto a mim mesmo prometi, até encontrar-me com os sonhos dos meus filhos e apagar-me completamente numa delícia etérea que me perfez em alguém melhor do que sou realmente.
Bolas, afinal de contas, quantos momentos deste malfadado presente ainda são nossos inteiramente? E quantos rostos anónimos terão de se sacrificar à caminhada inglória, para que o futuro dos meus filhos se cumpra? - Melhor nem pensar nisto também.
Diz-me amanhã o que queres e eu até esqueço o meu futuro num ápice. Reconhecendo os teus desejos indómitos no regresso a casa, vejo-me incapaz de deitar a vontade ao vento duro deste presente. Quero assegurar-lhes os desígnios como se se tratasse da minha própria vida. E trata-se. Eles são o dia que venha quando vier, que acorde quando acordar. Eles são um eu melhor.
Recomponho-me aqui, penso um pouco e pergunto mudo àqueles rostos que cruzam o meu par de olhos, se já são felizes em parte, ou se é preciso mais?
Nem me respondem, porque nem sabem que os sorrisos mais fortes embaraçam todas as fraquezas dos que lhes perguntam, porque nem sabem sequer o intuito concreto da pergunta em si. E é melhor que assim seja. É esse o meu trabalho, conseguir-lhes um futuro que não seja desencontrado do meu passado, melhor simplificar, construir-lhes um futuro apenas. Assim é que é.
Neste primeiro dia de aulas, os meus filhos voltaram ansiosos para casa. É tudo quanto me interessa. O resto é silêncio e sonho, descobertas de vidas precoces que anseiam, Meu Deus eles ainda anseiam, e que pai seria eu se não me privasse de todos os tempos que me formam para que o tempo deles mereça a razão daqueles sorrisos? Que pai seria eu?

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…