Avançar para o conteúdo principal

A felicidade ao nosso alcance

Na linguagem de todos os dias, a noção de felicidade designa uma inclinação amoral pela vida dada ao prazer. Sempre achei inexacta esta designação. Compreendi sempre a vida feliz de uma forma muito céptica, quase redutora: como sendo a experimentação do prazer limitada àqueles que não sofrem, ou seja, somos felizes na medida em que sabemos afastar o sofrimento. 
São muito poucos aqueles que sabem enfrentar o sofrimento com dignidade e, em muitos casos, não são aqueles que se espera que o façam. Poucos sabem calar-se e respeitar o silêncio dos outros.
Todos descobrem, mais tarde ou mais cedo na vida, que a felicidade perfeita não é realizável, mas poucos se detêm a pensar no seu oposto. Ser perfeitamente infeliz, também não se consegue com a devida facilidade.
Os momentos que se opõem à realização de ambos são da mesma natureza, derivam da nossa condição humana, que é inimiga de tudo o que é infinito. Mas, só nos preocupamos com a primeira premissa: A felicidade perfeita, ou, mais concretamente, a sua eterna procura. Isto ensina-nos uma outra lição fundamental, que constitui a estrutura química da criatura humana; esperamos, aprendemos a esperar, a ter esperança, sempre!
Opõe-se a isto uma única coisa: a certeza da morte, que sempre nos poluirá qualquer felicidade duradoura se formos tolos o suficiente para lhe darmos excessiva atenção. Bem sei que, quanto a isto, poucos me compreenderão, e é bom que assim seja, pois, em boa verdade, não me interessam os que me invadem o silêncio como bárbaros, aqueles tristes e eternos "sofredores" que parecem libertar continuamente uma raiva velha de muitos séculos. Prefiro os que sofrem dignamente, aqueles que, para minha digna e grande felicidade, passei a chamar de amigos.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…