Avançar para o conteúdo principal

O Mosteiro de Santa Clara




É preciso salvar este precioso marco que representa o cunho da memória deste povo valente, que habita indolente junto aos seus pés de pedra.
É estranho, mas a verdade é que, mesmo depois de extinto, depois de ter morrido a última freira, a sua história não parou. O que não se reveste de estranheza, porém, é a forma como um edifício de pedra, metal, vidro e argamassa, também se torna feito de sangue, vidas e lembranças.
Isto de falar do Mosteiro de Santa Clara, levar-nos-ia longe a todos, e já basta o muito que sobre ele já foi dito e escrito ao longo dos tempos. Mas é importante não apagar nunca a recordação do vandalismo impune aqui perpetrado, sem respeito pela dignidade do seu passado, ou préstimo pelos interesses de Vila do Conde.
Foram-se os cálices, as custódias, cruzes, lampadários, tocheiros. Evaporaram-se em grande mistério, os relicários, as pinturas, os azulejos e toda a estatuária. Tudo isto se sumiu de entre portas, numa avidez de roubo e destruição que nem bem se sabe porquê. Ficou por fim, o próprio edifício, solitário, abandonado e despido de tudo o que, por justiça da história, lhe perfazia por direito como seu recheio.
Acumularam-se anos de indigência e de indiferença, e agora, até o próprio Mosteiro, delapidado e acabrunhado na tristeza do desamparo, ameaça tornar-se numa mera sombra do que já foi, assim, desprezado, por quem lhe comanda o destino, desliza para o inevitável esquecimento, tornando-se mesmo num perigo iminente para aqueles que tanto o admiram e dele se orgulham.
Torna-se então, mais que necessário, que todos nós, gente ribeirinha insuflada pelo orgulho bairrista por esta terra de subtil beleza, e por este portento da nossa história e da nossa memória, que tão bem sempre a representou ao longo dos séculos, tenhamos um assomo de ira interior, soprado por ventos desconhecidos que nos compõem ainda, tenho a certeza que sim, e tomemos medidas que o resgatem definitivamente das brumas da perdição. Ele assim o merece, e nós também.

Um primeiro passo pode ser a assinatura desta petição pública:

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…