Avançar para o conteúdo principal

Dez!


Sentia-se com um domínio completo da sua vontade quando se sentou a pensar na sua ausência. – Quinze dias é muito tempo! – Depois, pensou que tinha esse tempo só para si. Estava calmo, mas com a alma alimentada pelas pílulas da excitação. A erosão da sua partida era muito mais libertadora do que ele supunha. Precisava de a remeter ao papel para a sentir fora de si, era este o seu processo de purga, a sua forma de tornar real o que desejava. 
 Lançou-se então à tarefa de arrolar tudo aquilo que a sua presença nunca lhe permitiria fazer: Dormir nu, comer fritos, ver televisão até de madrugada, deixar o gato dormir na cama, masturbar-se, - o ímpeto deste desejo conduzia-o na obsessão de o fazer até em casas de banho públicas. – Sonhar acordado, sem que a sua expressão de pasmo lhe fizesse levantar a voz em mais um apupo. Sair com os amigos, jogar consola, ler um livro sozinho, escrever. Sim, escrever. Dez coisas, dez! Poderiam ser tantas mais, mas estas bastavam-lhe por agora para se sentir homem.
Escrever! – Quem me dera ter momentos desses. Divagar livre com a caneta por uma folha de papel e criar o meu próprio mundo, insuspeito e soberbo por ser meu apenas. Mas tens sempre de interferir, roubar-me os meus sonhos, tens sempre essa força imparável que não se detêm perante os meus desejos, que me subjuga e me traz de volta há terra num correr de um suspiro. Tomara eu ter dois minutos para me sentar à mesa e escrever um pensamento meu, só meu. Um pensamento onde tu não existas, onde não interfiras.
Começou a transpirar, viu-se paralisado dentro de uma rede de escuridão que o apertava, mais e mais, cada vez com mais força. – Acende a luz, meu idiota! Acende a luz!
Dez coisas tão simples que o casamento lhe roubara, pondo-lhes um fim prematuro e insatisfatório. Agora ela viajara para o Brasil, duas semanas longe dela, livre! – Bendita conferência.
O que é a liberdade? Pode dizer-se que é um comportamento que deve sugerir que tudo é possível, mesmo que essa eventualidade não possa ser dada como certa. – Que se dane, vou fazê-lo. Não estás aqui para me reprimir, para me devassar o tempo que dizes ser desperdiçado.
Sentia um desejo incontrolável de oferecer a alma ao papel, de entrega-la a essa ressaca.
Pegou numa folha, na sua melhor esferográfica e fê-lo. Pensou nas outras coisas que também poderia ter feito, mas esta era especial, esta merecia bem o tempo despendido.
Primeira linha:
Estou farto de me sentir prisioneiro. Vou deixar-te...

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…