Avançar para o conteúdo principal

As três torres!

Acho incrível a rapidez da velocidade do tempo. Dez anos! Parece tanto, quando falamos de uma criança; quando o WTC desabou, a minha filha não tinha ainda nascido, e o meu rapagão ainda apreciava o humor cáustico (simples?) do contra-informação, com sorrisos de sincero divertimento pelo mero movimento daqueles bonecos estranhos. Para uma criança, dez anos representam um enorme salto de nascimento ou crescimento, para um adulto, nem por isso.
Não gosto de americanos, por inerência da sua postura no mundo. Gosto sim da sua cultura. Da literatura americana, da pintura e sobretudo do seu cinema, não sou original pronto! Gosto do cinema americano, mas não da América.
De modo que, o 11 de Setembro, foge-me à compreensão da solidariedade. Foge-me em grande parte, por dois motivos essenciais. Primeiro: com tantas desgraças e desavenças, tantas mortes por atentados sem sentido, porquê que o (suposto) atentado das torres gêmeas, haveria de ser mais importante do que aquele que ocorreu na Tchechénia ou no Paquistão? - Não sei. O ocidente é tão desunido quanto o resto do mundo, e no que me diz respeito, a diferença é a mesma: Nenhuma! - Segundo: Tenho três bons amigos que justamente neste dia, festejam o seu aniversário, e eu, eu prefiro apostar a eternidade do tempo na celebração daquilo que me justifica a existência neste mundo, a beleza da amizade, em vez de perder tempo com galanteios ocos sobre um evento sem sentido que ocorreu há dez anos atrás. Os americanos que repensem melhor o seu sistema de domínio do mundo, e relembrem porquê que os números oficiais apontam para 3000 mortos, grosso modo, quando havia ali um movimento de 100 mil pessoas por dia, fora as 50 mil que lá trabalhavam diariamente! - A América envergonha-se a si mesmo e a todos nós, ocidentais, com este evento catastrófico, e eu, eu não quero perder tempo a pensa-lo, tenho amigos que precisam de alegria e pouco mais há a dizer.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…