Avançar para o conteúdo principal

Memórias de uma curta viagem.

Um recanto perdido, onde reinava uma paz que o tempo esquecera. Descendo um caminho empedrado, alcançava-se sem receio essa quimera, e não valerá a pena perscrutar o desconhecido em busca de tranquilidade?

 
Na outra banda do mar, a solidão da calma, tomara conta da paisagem, que não fazia bulício do restolho de uma onda. Somente esta figura parada no límpido manto de azul lhe quebrava o sossego.




Até a presença fria e roliça dos pequenos seixos castanhos me prendiam a atenção. Era um dia longo e solar, daqueles raros dias em que a memória aponta todos os detalhes da paisagem, cataloga-os em pequenos espaços retidos cá dentro para sempre, e uma pedra que seja, também lá tem o seu lugar, num dia assim.

Assim que subi a bordo, despedi-me do dia, sentei-me numa mesa retirada, e comecei a escrever versos com uma caneta de tinta azul que desenhava montanhas, peixes e pássaros nas dedicatórias. Ao primeiro sinal de partida do navio procurei encontrar o que me teria levado a embarcar, deixando para trás aquela terra que tanta poesia fez nascer na minha cabeça.
Se em qualquer momento da minha vida o mar tivesse que separar-se, tê-lo-ia feito nesse momento. Contudo, até agora se tinha estirado silenciosamente, inflamando o fim do dia que me puxava a si.
Cedo descobri encantos em ambos, e prossegui viagem a bordo do veleiro rumando a outros portos sem nome próprio. Seguiam-me os guinchos das gaivotas, os esteiros das nuvens, e o sentido de infinito que aquele dia me deixou. Nem sempre nos puxa esse anseio, essa amplitude de alma que nada explica, apenas desfruta. Quando acontece, é importante estarmos muito atentos, não vá a recordação perder-se avulsa no meio das outras.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…