Avançar para o conteúdo principal

As Aventuras de Rodrigo, O Guerreiro Sonhador - Cap. III

A alegria parecia ter voltado há aldeia, as mulheres cantavam canções de alegria, os homens dançavam alegremente, e até as poucas crianças que haviam estado escondidas, voltaram com um sorriso de alegria estampado no rosto. Os próprios animais, Zazus, aramis e Lunas, e Gaspachos e Zippos e todos se juntavam em redor de Rodrigo, o salvador da aldeia, mas este não mostrava uma cara alegre. Rodrigo não descansaria até por fim à existência do malvado Dragão que ainda podia muito bem voltar e pôr fim a toda aquela alegria.




Não descansarei até pôr um fim na existência daquele malvado Dragão. - disse ele.


Mas ninguém o ouviu, as pessoas rapidamente esquecem os medos passados quando o presente lhes parece seguro.



Foi então que Rodrigo sacou novamente da sua espada mágica e disse: - Ouçam todos, não dancem, nem cantem ainda, pois o mal não descansa. O Dragão ainda existe, e em qualquer altura ele pode voltar. - Por fim, todos se calaram e lhe deram ouvidos. - Fabio, voltará. - Continuou o rapaz. - E quando ele voltar há-de me levar ao covil do Dragão, onde eu porei fim a este mal que há tanto tempo vos aflige. Aí sim, poderão festejar, cantar e dançar, porque então, estarão os vossos filhos vingados.


Os aldeões nem queriam acreditar no que estavam a ouvir, como é que que um rapazinho tão pequeno e vulnerável como aquele podia ser tão corajoso? Era mais do que eles poderiam esperar, mas deram-lhe ouvidos e pararam os festejos, sentando-se todos em volta de Rodrigo admirando a sua coragem.


A noite caiu, e sem notícias de Fabio. O menino herói, começava a ficar preocupado com o seu amigo há tempo desaparecido. Teria sido apanhado pelo malvado Dragão? - Pensou.


Mas não tardou muito até que as suas dúvidas se dissipassem, pois no céu da noite, ao longe, muito, muito ao longe ouviam-se vozes celestiais cantando, um canto tão belo e tão celestial que nunca poderiam vir de um cavalo.


Todos se levantaram e ergueram os olhos para céu, tentando descobrir de onde viria tão belo e celestial canto.


Mas nada, nada surgia no horizonte da noite, até que: Esperem. - Grita um dos aldeões – Olhem, ali!


E todos se viraram na direcção para onde ele apontava.


Serão estrelas cadentes? Bolas de fogo do Dragão? O que será aquilo?


O que todos estavam a ver, eram pequenas luzinhas tremelicantes no céu escuro, mas luzes que se moviam, e com elas o canto belo e celestial que as acompanhava.


O que será aquilo? - Pergunta Rodrigo.


Até que as pequenas luzinhas brilhantes, se foram aproximando,mais e mais e mais, até ficarem tão perto que todos as podiam ver e ouvir claramente.


Fadas! - Exclama o rapaz.


Olá Rodrigo – Diz uma das fadas. - Viemos buscar-te.


Os olhos do rapaz brilhavam de fascínio com aquelas criaturinhas tão belas e celestiais.


A mim? - Finalmente conseguiu dizer.


Sim,a ti. Conhecemos a tua demanda e viemos para te levar a quem te pode ajudar.


A um feiticeiro? Um feiticeiro bom?


Sim, o maior e mais poderoso de todos. Ele também não gostou do que Gorgon fez com a Princesa Lia, e sabe dos esforços que tens feito para a ajudar, portanto ele decidiu ajudar-te a salvá-la. O que achas?


Mas isso é maravilhoso, e quando o posso ver?


Agora mesmo se quiseres. Viemos te buscar para te levar a ele.


Agora? - Exclama o menino, desiludido. - Mas agora não posso, tenho de esperar pelo meu amigo Fabio, e prometi algo a estes aldeões.


O Dragão, Rodrigo? É disso que falas? - Questiona uma das fadas.


Sim, exactamente. Tenho de lutar com ele, eu prometi. Mas como é que sabem disso?


Ora Rodrigo, nós somos fadas, sabemos de tudo. Não tens de te preocupar com o Dragão ou com o teu amigo, vais ver que tudo se resolve.


Mas eu prometi. - Exclama Rodrigo, apontando para os tristes aldeões.


Sabes, és um rapazinho muito especial – diz a fada – e não vamos esquecer disso. Anda, vem connosco.


Está bem, eu vou, pela Princesa,eu vou. Mas prometo voltar – diz virado para os camponeses. - Hei-de vos livrar daquele Dragão mau.


As fadas rodearam-no, fazendo círculos à sua volta, até a luz que emitiam ficasse tão forte, tão forte que o menino também parecesse feito de luz, e depois, um milagre aconteceu, Rodrigo pode voar também.


E lá partiu céu fora, com as fadas, tendo começado estas novamente a cantarem uma canção tão bela e celestial que ele quase que se sentia feliz.



Voaram por sobre a aldeia, sobre florestas antigas e castelos abandonados, passaram pela grande cidade de Tombo, pelos caminhos dos peregrinos, pela escola de guerreiros de Bassini o Grande. Atravessaram o Oceano da Lua Nova, e chegaram quase até ao fim do mundo, mas aí viraram à esquerda e tomaram outro caminho.


Uma terra nova e fantástica, cheia de luzes brilhantes, fontes de água cristalina que brotavam do próprio chão, criaturas magnificas que passeavam livremente por todo o lado, mas sobretudo, crianças, muitas crianças, eram tantas,tantas, que parecia que todas as crianças do mundo se tinham juntado ali, naquela terra mágica, onde das montanhas escorriam rios de chocolate, e as planícies pareciam cobertas de bolacha baunilha, e todos os meninos e meninas que lá embaixo brincavam tinha um amigo e um brinquedo e um animalzinho amoroso que brincava com eles também. Era o Paraíso das Crianças.


As fadas então fizeram-lhe um sinal, apontando para um Castelo Multicolorido e Reluzente, começaram a dirigir-se para lá. Foi quando Rodrigo se apercebeu que todo o Castelo era feita de gomas, de todas as formas e tamanhos, de todas as cores e sabores, e em redor do Castelo nos jardins de menta e alfazema, também brincavam muitas crianças.


Até que entraram no castelo, por uma ponte alcochoada com bollycaos e entraram por um grande portão de açúcar granizado com rebites de pintarolas a adorna-lo.


Como é possível existir um lugar assim? - Pensou Rodrigo.


Mas existe meu querido, existe para aqueles meninos bem comportados, que ainda sonham com lugares como este. - Responde-lhe a Fada.


Mas eu não disse nada, eu só..


Eu sei, eu sei. Mas não te podes esquecer que este lugar é mágico, e o que tu pensas, todos ouvem.


Dentro do Castelo, tudo ainda era mais maravilhoso, crianças corriam alegremente por todo o lado, fontes de sumo de mil frutas diferentes jorravam aqui e ali, onde pudessem saciar a sede de alguma criança cansada pelas correrias. Todos que passavam, cumprimentavam-no


Olá Rodrigo, estás bom? Olá, como estás? Ou Olá, queres vir brincar?


E Rodrigo esteve tentado a fazê-lo várias vezes, mas as Fadas encaminhavam-no firmemente para um sítio ainda mais especial. A Sala mágica do Feiticeiro.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…