Avançar para o conteúdo principal

Tristeza.

Nem sei bem o que isto é, mas sinto uma tristeza profunda no meu coração hoje. Fui linearmente vexado  verbalmente por um escritor português, que todos conhecem decerto, mas que obviamente prefiro omitir o nome, pela simples razão de não querer descer ao nível da mesma ignomínia que lhe impulsionou as palavras, e tudo isto por ter tido a insólita audácia de lhe transmitir um vulgar pedido de auxílio.
Felizmente que ainda sou ninguém no mundo da literatura, mas começo já a tomar medidas interiores para que nunca, repito, nunca, me venha a transformar em alguém do vulto desse senhor.
É esse um dos medos que mais me aflige, que um dia, o sucesso e a fama, se acharem por bem me agraciarem, me moldem as glândulas da alma, e formem a figura de semelhante homem descomposto.
Não existe solidariedade entre autores, foi a conclusão a que cheguei, sobretudo se os patamares entre eles forem demasiado desnivelados, e o espírito humano dos mais proeminentes se encontrar infetado pelo vírus da arrogância. 
Pauto-me agora por uma postura de humildade que só se adequa a quem tudo tem a ganhar com isso, mas também porque acredito que a presunção da fama é o crivo que mata a elevação do génio. 
Muito lamento que assim seja, não pelas palavras propriamente ditas, mas pela imagem idealizada desse bom escritor, que morreu hoje para mim.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…