Avançar para o conteúdo principal

Poema 6


Sou dono do meu caminho,
senhor do meu traço,
mestre da minha ideia,
de tudo a que fujo ou em que alinho,
que tenho por meu e faço,
e que dentro de mim se incendeia.
Não quero sequer ser poeta,
e se sou, não quero ser,
que importa chamarem-me assim,
e não quererem saber.
Lastimo-me num choro de boi,
desfaço-me em fumo maldito,
de noite é que eu sei,
desperta-se em mim um grito,
ao sonhar com o que já foi.
Não queiram entender nada,
não tentem,
não quero,
nem vale a pena,
foi, fiz!
Porque fui moço de vida, alegria,
e assim fui sendo feliz.
Mal sabendo eu que eu,
ai mal sabendo,
que tudo passou de uma euforia,
euforia, euforia, eu faria,
tudo de novo para ter (aqui),
o moço de vida alegria,
que em tempos vim a ser.
Mas nem interessa,
nem vale a pena.
Sou dono de tudo,
sou capitão da minha vida,
de mim sou eu rei,
mas saber o que fiz,
nem eu próprio sei.

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.