Avançar para o conteúdo principal

Má semente




(...)
Não tarda nada e descubro-te só dias melhores
ordenados
nas roupas que deixaste para trás.
Desenho-te o corpo quase todo em luz salgada,
branca, branca... feito ondas de joy divison.
Acendes-me a mais antigas das febres,
e por ti partirei todos os vidros no céu.
Quão perfeita é a liberdade dúctil destas ondas nocturnas,

afagando-te em espuma, os tornozelos corajosos, 

caules perenes desses olhos cristalinos
.
Amanhece novamente e,
ninguém nunca gostou do nosso bairro.
Ninguém nunca gostou do nosso Mar.
Não houve poeta algum, nesta terra dos nossos
que se lembrasse de escrever sobre um lugar
onde destas ondas não se alevantaram arranha-céus.
E houve tanta gente, longe de nós... longe de mim.
Tanta gente cheia de poesia que nem produz
sentido algum para a crucificação do verbo amar.
Forrados de desprezo. É a sua condição natural.
Fizemos dos nossos dias a espera por este poema febril.

Mas habitamos onde a poesia não tem código-postal.

Assim, 
vou vendo aos poucos quem te devora,
 
vez por outra chegam polícias cheios de cicatrizes
querendo te algemar a luz,
branca, branca... como o nascer da primeira hora.
Do teu corpo a felicidade

é tudo um jogo de monopólio.

Ninguém jamais gostará de onde a apatia se demora,

como se fossem beijos que perduram sem proveito,
de nós, ninguém gostará jamais da nossa paz fundeada,
de solitários nadadores sem peito.
Nada alguma vez foi escrito sobre estes dias tão nossos,

ficaram assim, pendurados nos demais, os que já tinham sido.

Um desfilar antigo de paredes sem vida,

nestas pedras levantadas só pela traça.

Há pouco vi um ligeiro rumor a passear um homem feito 
saído do fim 
da linha.

Veio barbudo de algum lugar longe daqui,
 mas ainda assim,
ainda assim,
 nem uma palavra escreveu sobre este nosso lugar.
Nada de alarmes, que tudo passa.
Um dia mostrar-te-ei as nossas roupas húmidas de tanto suor
que ia e que vinha

e que nos fez melhores.

in: "Todos os Fogos são Fevereiro"
2017 por publicar

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…