Avançar para o conteúdo principal

Deus a foder-me desde 2011


Ninguém me/se interessa exactamente por nada. Caio de joelhos, perturbado por esta verdade inegável. 
O Homem nasceu sozinho e logo nesse instante se condenou ao seu futuro perturbado.
Tão estranho e definitivo como uma máquina incessante, que lhe tirará as mãos do corpo, e o corpo do seu lugar, e o lugar da sua terra, e por fim, até a sua terra sairá do mapa. O Homem ficará apenas um passageiro estranho, na espera de algum outro destino diferente desse.

Em 4 de Abril de 896 morreu o Papa Formoso. Depois de morto, foi acusado de ambição excessiva, e em consequência disto, o seu cadáver foi despido e os dedos da sua mão direita decepados. A maior das desonras foi terem-no enterrado num cemitério destinado somente a estrangeiros.

Sou esse anti-Papa! - Vestiram-me com insígnias. Ornaram-me após exumação, e colocaram-me num trono absurdo, só para me imputarem as acusações que a minha própria cabeça amedrontada fabricou.

A minha mãe, sem grande expressão para o verbalizar formalmente, engendrava grandes planos para mim, que, afinal de contas, vim por mero acaso a este mundo. Sempre insinuou a vontade deste engano acabar por redimir toda a restante linhagem medíocre. A grande injustiça desta frase, desaba sobre os meus irmãos, que apenas existem normais, e jamais, JAMAIS, fizeram mal a ninguém. Sou eu que, sozinho, crio esta inércia total, e depois, ainda a tento justificar às suas custas.

Esta é, fundamentalmente, a grande e derradeira tristeza que me empurra para baixo.

Formoso, posteriormente, terá sido novamente exumado, depois esquartejado, e por fim, arrojado em puro desprezo ao rio Tibre.
É assim que as coisas são. Por nada interessar verdadeiramente.
O medo de nos tornarmos obscenos, torna-nos obscenos. As emoções são tão sujas quanto as fazemos e tudo acaba por ser uma piada de mau-gosto, que é facilmente olvidada.

Queria tanto escrever felicidades, como a minha mãe se chamava, mas acabo sempre obsceno. Os meus olhos atentos, vigiaram Deus por tempo indeterminado, desde a sua morte até agora, mas Deus, demasiado exausto de gente assim picuinhas, mandou-me foder baixinho, e acabou-se ali o assunto

Ri-me!
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.