Avançar para o conteúdo principal

Deus a foder-me desde 2011


Ninguém me/se interessa exactamente por nada. Caio de joelhos, perturbado por esta verdade inegável. 
O Homem nasceu sozinho e logo nesse instante se condenou ao seu futuro perturbado.
Tão estranho e definitivo como uma máquina incessante, que lhe tirará as mãos do corpo, e o corpo do seu lugar, e o lugar da sua terra, e por fim, até a sua terra sairá do mapa. O Homem ficará apenas um passageiro estranho, na espera de algum outro destino diferente desse.

Em 4 de Abril de 896 morreu o Papa Formoso. Depois de morto, foi acusado de ambição excessiva, e em consequência disto, o seu cadáver foi despido e os dedos da sua mão direita decepados. A maior das desonras foi terem-no enterrado num cemitério destinado somente a estrangeiros.

Sou esse anti-Papa! - Vestiram-me com insígnias. Ornaram-me após exumação, e colocaram-me num trono absurdo, só para me imputarem as acusações que a minha própria cabeça amedrontada fabricou.

A minha mãe, sem grande expressão para o verbalizar formalmente, engendrava grandes planos para mim, que, afinal de contas, vim por mero acaso a este mundo. Sempre insinuou a vontade deste engano acabar por redimir toda a restante linhagem medíocre. A grande injustiça desta frase, desaba sobre os meus irmãos, que apenas existem normais, e jamais, JAMAIS, fizeram mal a ninguém. Sou eu que, sozinho, crio esta inércia total, e depois, ainda a tento justificar às suas custas.

Esta é, fundamentalmente, a grande e derradeira tristeza que me empurra para baixo.

Formoso, posteriormente, terá sido novamente exumado, depois esquartejado, e por fim, arrojado em puro desprezo ao rio Tibre.
É assim que as coisas são. Por nada interessar verdadeiramente.
O medo de nos tornarmos obscenos, torna-nos obscenos. As emoções são tão sujas quanto as fazemos e tudo acaba por ser uma piada de mau-gosto, que é facilmente olvidada.

Queria tanto escrever felicidades, como a minha mãe se chamava, mas acabo sempre obsceno. Os meus olhos atentos, vigiaram Deus por tempo indeterminado, desde a sua morte até agora, mas Deus, demasiado exausto de gente assim picuinhas, mandou-me foder baixinho, e acabou-se ali o assunto

Ri-me!

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…