Avançar para o conteúdo principal

Eu, pois.


Sou muitas vezes acusado - acusado é capaz de ser muito forte - recordado, de "não ser por nada", de "não prestar apoio" a nada ou a alguém, de não ser o "eu" total que poderia ser, se fosse de outro modo, que não este. - "Por isso estás como estás". - Dizem-me. 
Hummm.. como se isto aqui servisse para apoiar o que quer que seja, ou mais ainda, despojar o "eu" de si mesmo. 
Por acaso, até nascem naquilo que me aconselham, mesmo que por vezes totalmente impessoais e frias, as melhores passagens daquilo que me dá gozo escrever, pondo de parte todos os nós e os eus? - Já é algo pelos outros, não será?
Semelhantes asserções trazem-me à memória trechos de: "A Crítica da Faculdade de Julgar" do velho Immanuel. Na embriagante lucidez das suas palavras, encontro esconderijos imperfeitos para esta paranóia que me persegue. Um lugar gigante com o tamanho de um livro de bolso, onde repousam tantas respostas.
É que, para apoiar por apoiar, como tantas vezes assisto, existem as redes sociais, as plataformas de petições, os crowdfundings. É aí que nascem os heróis destes tempos, e as suas grandes obras, não aqui. Aqui é tudo calmo e secundário, impera o reino dos extras. Aquelas criaturas sem fala que enchem o pano de fundo dos filmes. Um ponto a menos para o "eu".
Só os idiotas é que acham que expôr ideias é ser do contra. Não sou contra ninguém em particular - Excepto talvez contra os idiotas - e, desde logo, existem tantos por aí...como por exemplo, aqueles que me acusam - acusam é capaz de ser demasiado - que me sugerem, que necessito da cumplicidade dos vivos para existir melhor.  - "Depois queixa-te que estás só." - Dizem-me.
Talvez não sejam assim tão idiotas. - "Se não tens aquilo que queres, é porque se calhar não o mereces." - Continuam.
Hummm... Claro que sim, pois o merecimento é como um pêndulo que balança entre a solidão do egoísmo, e a violência da inveja, menos até, quando o indivíduo em questão está psicologicamente em baixo. É sempre mais fácil desmerecer, não custa tanto, e é tão mais higiénico. Improvável, é encontrar um "apoiado" disposto a inverter o rumo das coisas, isso sim.
Aritméticamente, o "eu" é a mais radical das divisões, dado que o um dividido, acaba inteiro, igual a si mesmo. São necessárias as frações dos "outros", para se obter resultados diferentes. Depois da humilhação que sofri na escola, isto é algo que nunca irei esquecer.

Se fosse abrir a porta deste espaço a todos os desapoiados, estaria à procura de encontrar lá fora uma tempestade a rodear-me. Eu sei quem são, e o que merecem, tudo o resto surge na raiz da dúvida, é efectivamente, a semente insidiosa da incerteza de todos os "eus" e "outros" que por aí andam na mesma senda

Por isso, deixem lá de me acusar - acusar aqui vem um pouco a despropósito - de me foderem o juízo com chavões inconsequentes. É provável que até venha a "ser por tudo", desde que o tudo me encontre em algum lado.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…